Um desejo


Eu desejo que as pessoas se matem.
Que você se dane.
E o mundo que se exploda.

Eu desejo um minuto de silêncio.
Pessoas de luto.
E corpos gélidos.

Desejo um mundo sombrio.
Onde cores não existem.
E a lua reina no céu.

Eu quero de uma vez por todas.
Não desejar mais nada.
E finalmente descansar em paz.

Realidade Paralela.


Uma solidão eloquente.
Um vazio envolvente.
Tortura e satisfaz.

A dor nunca fora tão intensa.
Envolvendo num ritmo de sofrer.
A cada batida do coração.
A vida se esvaia.

De repente tudo se esclarece.
Um sonho!
Uma fuga momentânea.
De uma realidade paralela.

Até quando fingir o sorriso.
Venerar a dor.
Cada sentimento.
É uma decepção renovada.

Circulo Vicioso.



Quando parar de sentir pena de si
E encarar o mundo
Vai ver que seu pesadelo é real.
E tem que enfrentá-lo

Seu ânimo foi sugado.
Reaja de alguma forma!
E de uma maneira rápida.

Ninguém vai ajudar-te.
E irás agonizar sozinho.

Conseguistes o que almeja.
Mas estão planejando derrubar-te novamente.
E conseguem.

E mais uma vez, este circulo vicioso se manifesta.
A diferença é que cada vez é pior.
O tombo mais profundo.
E as cicatrizes maiores.

Eterno Efêmero.


Aquele ser repugnante que assombra seu pior pesadelo
Vai virar seu bichinho de estimação.
E bichinhos tem fome.

Nessa hora você vai desejar ser engolido pela escuridão.
Mergulhar no vazio.
Se dissolver no esquecimento.

Quando não mais aguentar
Quando estiver prestes a desistir.
Vai perceber que não tem saida.
E aquela dor é eterna.

Implorando pela vida.
Derramando lágrimas de sangue.
Não aguenta ver seu reflexo.
Não quer ver seu fim.

Rainha Da Neve Branca.


Ver sangue frio nunca foi tão doce.
Corpos gélidos nunca foram tão excitantes.
Numa noite fria é meu desejo mais intenso.
Num lugar vazio é meu medo sombrio.

Pobre alma, não imagina o que a espera.
A dor paralisante.
Um medo congelante.
E quando menos se espera, está em meio ao nada.

E agora.
Você perdeu os sentidos.
E eu meus sentimentos.

A deusa da noite vem acalentar quem implora por ela.
Faz calar os que gritam.
Envolve em seu manto os que tremem.
Mas todos vão para o mesmo lugar.

Um Desconhecido.


Ele esta lá, de braços abertos.
Mas não o conheço,
Como posso ir ao seu encontro.
Me parece tão seguro. As aparências enganam.
Não sei o tamanho dele, estou distante.
Não ensinaram isso na escola.
Não disseram que eu iria ficar sozinha algum dia.
"Posso chorar? Isso é permitido?"
Como eu queria te ter ao meu lado.
Meu porto seguro.
Mas como todos, você se foi.
E como os outros.
Não sei se o encontrarei novamente.
Mais uma pagina da minha vida se virando,
e tenho receio de encarar a próxima.
Acho melhor o chamar de Medo.
Medo de algum futuro.
Medo de um desconhecido.
Uma dura lição que não vou ter tempo de fazer um rascunho.